quarta-feira, 20 de maio de 2015

Escolhas

Omar era um mendigo, com pés rachados e sujos e pedia dinheiro na frente da igreja da cidade.
Um belo dia uma linda jovem o aborda e lhe dá um prato de comida, e com lágrima nos olhos ele aceita "é um anjo" ele pensou.
A cena se repetiu por um mês inteiro, a garota chegava com uma marmita entregava para Omar mas nunca falava nada, nem quando Omar tentava puxar um assunto ela abria a boca, simplesmente entregava a marmita, virava e ia embora.
Um dia Omar intrigado decidiu seguir a garota e enquanto andava começou a se recordar de sua família que ele deixou, sua mulher e 2 filhos, ele havia se envolvido com coisas erradas na época, bebidas, drogas, furtos e roubos e por fim a cadeia, e com isso a vergonha de ver a família novamente, ele se sentia sozinho, pedindo dinheiro para sobreviver e para alimentar seus vícios, a bebida e as drogas tinham lhe tirado a alma, mas roubar jamais o faria de novo, a cadeia lhe ensinou muito bem como o ser humano pode ser cruel, estupro, violência, mortes a cadeia era uma terra de ninguém e ele não queria mais ter que conviver com esse medo e terror novamente.

A garota percebe que Omar a esta seguindo então ela para e se vira e pela primeira vez ele escuta a vós de seu anjo: - O senhor gostaria de algo? Por que esta me seguindo? - Omar ficou mudo, as palavras vinham a sua cabeça, queria perguntar quem era ela, o porque de tanta gentileza mas a boca só pronunciava palavras desconexas. A garota então fala: - Gostaria de ir a minha casa? - Omar faz um gesto que sim e lá se foram caminhando pelas ruas da cidade e quando ele percebeu esta indo em direção a um casebre afastado de tudo em um local inóspito.

A garota abre o portão de ferro que range e acena para Omar entrar.

Omar estava sem jeito, o local era simples mas muito bem arrumado, a garota vai até a cozinha e logo traz uma bandeja com café e biscoitos e Omar esta de pé próximo a porta, a garota então fala para Omar se sentar em uma poltrona perto dela.

- Creio que nunca me apresentei a você. Meu nome é Ester e o senhor se chama Omar correto?

O homem da um sinal de sim para a garota.

- O senhor esta muito calado hoje!

Omar então fala.

- E...É que é a primeira vez que a senhora fala comigo.

A garota solta um risinho e fala:

- Eu só não sentia a necessidade de falar algo, mas deixemos esse assunto, tome um café e coma esses biscoitos e me fale, por que me seguia?

Omar toma um gole de café e meio sem jeito falou:

- Eu estava curioso! A senhora sempre é tão boa comigo, me leva comida e nunca fala nada. Só queria lhe agradecer e lhe perguntar. Por que a senhora me ajuda?

Ester olha nos olhos de Omar e ele repara o quão bonita é Ester, olhos verdes profundos, cabelos vermelhos e pele clara.

- Vou lhe contar uma história. - disse Ester - Eu era muito pequena e só me lembro de algumas coisas, eu tinha 6 anos e já tinha visto o pior que as pessoas podem fazer, minha mãe sempre sustentou a nossa casa, mesmo quando meu pai morava conosco, eles eram o oposto um do outro, minha mãe era amorosa, meu pai era frio, ela era a representação da esposa e mãe perfeita e sempre acreditou que meu pai tomaria jeito, que largaria seus vícios até mesmo antes de morrer naquela cama de hospital, pois depois que meu pai desapareceu as coisas pioraram e ela teve de se tornar uma prostituta para sustentar a casa, ela acreditava que meu pai voltaria e fiz uma promessa quando ela deu seu ultimo suspiro.

Omar com lágrima nos olhos perguntou:

- Qual foi a promessa?

Ester com o olhar gélido e com ódio na voz fala:

- Eu iria me vingar do desgraçado que nunca deu amor a minha mãe a mim e meu irmão.

Omar começa a ficar zonzo, sua boca fica seca e a visão turva.

- O senhor é meu pai, Omar! O senhor é a causa de minha desgraça e de meu irmão que morreu com 3 anos por que o senhor deixou sua droga em casa, ele comeu pensando que era açúcar! Se não me engano era cocaína, minha mãe teve de esclarecer as coisas com a policia, ela quase foi presa mas por conta da lingua das pessoas ela perdeu o emprego como empregada domestica! O SENHOR MATOU MEU IRMÃO E MINHA MÃE!

Omar fraco e sentindo enjoo perguntou:

- O que tinha no café?

Ester sorriu e falou:

- Veneno papai!

Enquanto Omar caia no chão com vomito na boca pensou: "É justo"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget